sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

O 2º Curso de Paraquedismo em Adamantina foi um sucesso

Galera do Paraquedismo


Filipe e Barbosa


Israel e Válter

Edian, Santos, Maikon e Val
 
Clodomir e Roberta

Marcelo e Maísa

Geisa e Marcelo

Israel


 História do Paraquedismo no Mundo
Por Ricardo Pettená
Segundo a literatura, o paraquedismo começou na China, há 2000 anos. Os chineses realizavam saltos de torres enormes para abrilhantar festas imperiais, saltavam com imensos guarda sóis imensos.
Muitos anos passaram até outro registro do pára-quedas, que surgiu com o pintor Leonardo da Vinci. Ele desenhou um pára-quedas em forma de pirâmide. Esse pára-quedas não foi construído na época, mas foi desenvolvido e testado, com materiais que só estavam disponíveis no mesmo período, recentemente há 2 anos, por um francês.
O primeiro salto de paraquedas foi realizado por Andrew Jacques Garnerin, no dia 22 de outubro de 1797, a partir de um balão. Considerado o primeiro pára-quedista, Garnerin realizou um salto histórico na cidade de Paris, a 600 metros de altura. Porém, para se certificar de que a engenhoca iria funcionar, Garnerin lançou seu cachorro como cobaia e depois seguiu atrás.
Evolução - O paraquedas foi a solução que a maioria dos países encontrou para proteger os tripulantes de aviões militares durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). O pára-quedismo teve sua maior evolução quando foi utilizado como meio de transporte na Segunda Guerra Mundial (1939-1945) para o desembarque de tropas na retaguarda da linha de defesa do inimigo. Milhares de soldados saltavam com seus pára-quedas verdes, para facilitar a descida em lugares inóspitos.
Durante os anos 60 o pára-quedismo era somente uma atividade. Nos anos 70, as empresas norte-americanas investiram e desenvolveram um equipamento mais moderno, o qual usamos até hoje, e o pára-quedismo começou a evoluir mais rápido. Foram fundados vários clubes que treinavam os pára-quedistas por um método bem rudimentar.
Nos anos 80 foi inventado o salto duplo e desenvolvido o método AFF (Acelerated Free Fall - queda-livre acelerada), o que possibilitou a difusão do esporte. O pára-quedismo acabou virando um esporte de competições. Hoje, são várias modalidades, desde as mais tradicionais, como a Formação em Queda Livre, ao Freefly, Freestyle, Skysurf e outras que estão sendo praticadas e são desenvolvidas a todo momento.
fonte: http://www.webventure.com.br/paraquedismo/conteudo/noticias/index/id/4599/secao/paraquedismo

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Brazil police battle Rio de Janeiro gang violence

24 November 2010 Last updated at 02:23 GMT
Police in the Brazilian city of Rio de Janeiro have launched a major operation to try to stop a wave of violence by criminal gangs.

url: http://www.euronews.net/wires/reuters/images/2010-11-24T160847Z_01_BTRE6AN18UQ00_RTROPTP_3_OUKWD-UK-BRAZIL-RIO-VIOLENCE.JPG
For three days, suspected gang members have been blocking roads, burning cars and shooting at police stations.
Military police have been deployed in 17 different slum districts.
Rio's governor says the violence is retaliation by drugs gangs who have been driven out of some areas by a police pacification programme.
More than 1,000 officers had been taken away from desk jobs to join the surge on the streets, the military police said, and 300 extra motorcycle police were on patrol.
Rio de Janeiro's state governor Sergio Cabral has also asked the central government for police reinforcements from outside Rio to keep the main highways open.
Two suspected gang member have been shot dead.
More than eight others have been arrested, including four suspects who were found with petrol bombs in the Copacabana beach neighbourhood.

Orchestrated attacks

Starting on Saturday night, armed men have been blocking some of the main roads leading out of Rio, robbing motorists and setting their vehicles on fire.
The authorities are convinced that the attacks are being orchestrated by drugs gangs in retaliation for being forced out of their traditional strongholds in some slum districts by police pacification units.
"Without doubt these attacks are related to the reconquest of territory and the new policy of public security in Rio de Janeiro," Mr Cabral said.
"We are not going to retreat in this policy. We are going to push forward, pacifying communities and bringing peace to the population."
Rio's police have been taking back control of poor neighbourhoods, known as favelas, that have for years been controlled by heavily armed drug trafficking gangs.
The pacification programme is aimed at improving security and the rule of law in Rio, which will host the Fifa football World Cup in 2014 and the Olympic Games in 2016.
font: http://www.bbc.co.uk/news/world-latin-america-11824432

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Comissão aprova aposentadoria especial para policial

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou nesta terça-feira a concessão de aposentadoria especial para servidor público que exerça atividade de risco, como policiais, guardas, agentes carcerários e penitenciários.
O texto aprovado foi o substitutivo do relator, deputado Marcelo Itagiba (PSDB-RJ), ao Projeto de Lei Complementar (PLP) 330/06, do deputado Mendes Ribeiro Filho (PMDB-RS), e determina que o servidor poderá obter o benefício nas seguintes condições:
- voluntariamente, ao completar 30 anos de contribuição, com proventos integrais e equivalentes ao da remuneração ou subsídio do cargo em que aposentar, desde que tenha, pelo menos, 20 anos de exercício de atividade. No caso de mulher, o período de contribuição mínimo é de 25 anos;
- por invalidez permanente, com proventos integrais e idênticos ao da remuneração ou subsídio do cargo em que aposentar. Essa regra será aplicada se a invalidez tiver sido provocada por acidente em serviço ou doença profissional, ou quando o servidor for acometido de doença contagiosa, incurável ou de outras especificadas em lei;
- por invalidez permanente, com proventos proporcionais ao tempo de contribuição em atividade de risco, tendo por base a última remuneração ou subsídio do cargo em que se der a aposentadoria. Isso ocorrerá se a invalidez for provocada por doenças não especificadas em lei ou em razão de acidente que não tenha relação com o serviço.
Conforme o texto aprovado, férias, ausências justificadas, licenças e afastamentos remunerados, licenças para exercício de mandato classista ou eletivo e o tempo de atividade militar serão considerados tempo de serviço para efeito da concessão do benefício.

Valor

A aposentadoria deverá ter, na data de sua concessão, o valor da última remuneração ou subsídio do cargo em que se der o benefício e será revista na mesma proporção e na mesma data, sempre que se modificar a remuneração ou subsídio dos servidores na ativa.
Além disso, deverão ser estendidos aos aposentados todos os benefícios ou vantagens posteriormente concedidos aos servidores da ativa, incluídos os casos de transformação ou reclassificação do cargo ou da função em que se deu a aposentadoria.

Pensão

O valor mensal da pensão por morte será o mesmo da aposentadoria que o servidor recebia ou daquela a que teria direito se estivesse aposentado por invalidez na data de seu falecimento. As pensões já concedidas na eventual data de publicação da lei terão os cálculos revisados para se adequar à essa exigência.
Segundo Itagiba, a mudança no regime de aposentadoria é crucial para o bom funcionamento dos órgãos de segurança pública.

Projeto original

O projeto original se restringia a garantir a aposentadoria voluntária após 30 anos de contribuição, com pelo menos 20 anos de exercício da atividade policial (com cinco anos a menos, em ambos os períodos, no caso de mulheres). A aposentadoria compulsória ocorreria com proventos proporcionais ao tempo de contribuição, aos 65 anos de idade para os homens e aos 60 para as mulheres.
Tramitação

O projeto, que tramita em regime de prioridadeNa Câmara, as proposições são analisadas de acordo com o tipo de tramitação, na seguinte ordem: urgência, prioridade e ordinária. Tramitam em regime de prioridade os projetos apresentados pelo Executivo, pelo Judiciário, pelo Ministério Público, pela Mesa, por comissão, pelo Senado e pelos cidadãos. Também tramitam com prioridade os projetos de lei que regulamentem dispositivo constitucional e as eleições, e o projetos que alterem o regimento interno da Casa., já havia sido aprovado pelas comissões de Seguridade Social e Família; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Agora, segue para análise do Plenário.

Fonte: www.camara.gov.br

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Adpesp protocola Ação Popular sobre disparidade no pagamendo do RETP

Foi protocolada recentemente, pelo Jurídico da Associação, a Ação Popular 0041659-78.210.8.26.0053 sobre a disparidade no pagamento do RETP (Regime Especial de Trabalho Policial). Os delegados não concordam com as ilegalidades perpetradas pela Cúpula dos Oficiais da Polícia Militar do Estado de São Paulo. A ação, encabeçada pelo delegado José Roberto Plazio (foto), tramita na 13ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central .
De acordo com o Jurídico, o objeto da ação se harmoniza com o princípio democrático e republicano, cujos paradigmas legais conferem ampla pertinência subjetiva a todo cidadão para fiscalizar o gestor público na obrigação de agir na ocorrência de dano a coisa pública.O advogado Roberto Tadeu de Oliveira ainda registra que por longo tempo, os acionados na ação popular conseguiram blindar da população a conduta lesiva aos cofres públicos, consistente na distorção do preceito da norma que estabelece a remuneração do RETP.
A regra assistida da Lei Complementar 731, de 26.10.93 retrata em seu artigo 3º que a sujeição do Regime Especial de Trabalho Policial, tem a sua gratificação calculada em 100% do valor do respectivo “Padrão de Vencimento”, mas fora constatado que os oficiais da polícia militar deram-lhe peculiar interpretação.
Responsáveis pela elaboração da própria folha de pagamento, os oficiais da polícia militar incorporaram no cálculo o salário padrão (padrão de vencimento), nível universitário, diferença incorporada, acréscimo de 20% (vinte por cento), gratificação incorporada (Lei 7.510/62) e art. 133 CE/89, para só então, aplicar o percentual de 100% e, assim, atingir o valor da gratificação.

Leia, abaixo, os demais trechos da Ação Popular

Por óbvio, seguindo-se a metodologia adotada pelos militares, há nítida vantagem remuneratória, em total desrespeito a norma legal, corrompendo o seu sentido e alcance, para obter até prova em contrário, indevido proveito econômico em detrimento do erário, diz trecho da Ação Popular.
Tem-se, porém, que a intangibilidade do patrimônio público e a integridade da moralidade administrativa, são princípios inflexíveis, i.e., o ato acoimado de ilegalidade não se convalida, sendo nulo desde sempre.
Nesse matiz, indissociável a condescendência da administração pública. Com efeito, a demonstração idônea do conhecimento da Receita está retratada em um Relatório de Visita Técnica sob o nº 141/2007, onde contextualiza a apuração do cálculo adotado pelo oficialato da Polícia Militar, recomendando o envio da questão para o jurídico da Secretaria de Segurança Pública.
Apesar da recomendação, nada foi feito e a ilegalidade se perpetua sem qualquer providência.
O desvio de conduta recebeu no relatório técnico a seguinte epígrafe: “PAGAMENTO DA GRATIFICAÇÃO PELO REGIME ESPECIAL DE TRABALHO POLICIAL (RETP) COM VALOR SUPERIOR AO ESTABELECIDO NA LEGISLAÇÃO”.
Portanto, não há como alegar ignorância.
Clara, pois, a indulgência do Governo do Estado, da Secretária da Fazenda e da Secretaria de Segurança Pública.
A ilegalidade que se aponta na ação popular reflete um prejuízo direto ao erário, i.e., um pagamento indevido mensal de R$ 3.081.290,02 (três milhões, oitenta e um mil, duzentos e noventa reais e dois centavos), considerando os pagamentos feitos aos policiais militares inativos e R$ 732.250,88 (setecentos e trinta e dois mil e duzentos e cinqüenta reais e oitenta e oito centavos) aos militares da ativa. Portanto, a soma dos pagamentos mensais indevidos é de R$ 3.813.540,90 (três milhões e oitocentos e treze mil e quinhentos e quarenta reais e noventa centavos), em decorrência da irregularidade do RETP.
O impacto anual nos cofres do Governo atinge a vultosa cifra de R$ 45.762.490,80 (quarenta e cinco milhões e setecentos e sessenta e dois mil e quatrocentos e noventa reais e oitenta centavos). Considerando-se, a entrada de vigência da legislação em 1993, pode-se estar diante de um desfalque no caixa do Estado na ordem de R$ 777.962.343,60 (setecentos e setenta e sete milhões e trezentos e quarenta e três reais e sessenta centavos), sem se computar um centavo de juro ou de atualização da moeda.
Tudo, devidamente, informado no Relatório de Visita Técnica de nº 141/2007, feita pela própria Fazenda, fato que espanta qualquer dúvida ou negativa de ciência dos acontecimentos.
Para o cidadão comum, contribuinte, a referida imoralidade, o enriquecimento ilícito, a improbidade administrativa acometida por quem deveria, em tese, estar combatendo a criminalidade, é uma afronta vergonhosa.
“Estamos abertos à discussão e tomando as medidas que os nossos associados mais necessitam”, diz a presidente da Adpesp, Marilda Pansonato Pinheiro. E acrescenta: “Não vamos apoiar uma possível irregularidade. Queremos o melhor para os delegados e para a sociedade, que merece um serviço público de excelência”.
fonte: Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo
url: http://adpesp.org.br/noticias/detalhe/2908

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Dia da Proclamação da República

Dom Pedro II e Marechal Deodoro da Fonseca
Em 15 de novembro de 1889 foi proclamada a república do Brasil.
Na época, o país era governado por D. Pedro II e passava por grandes problemas, em razão da abolição da escravidão, em 1888.
Como os negros não trabalhavam mais nas lavouras, os imigrantes começaram a ocupar seus lugares, plantando e colhendo, mas cobravam pelos trabalhos realizados, o que gerou insatisfação nos proprietários de terras.
As perdas também foram grandes para os coronéis, pois haviam gasto uma enorme quantidade de dinheiro, investindo nos escravos e o governo, após a abolição, não pagou nenhuma indenização aos mesmos.
A guerra do Paraguai (1864 a 1870) também ajudou na luta contra o regime monárquico no Brasil. Soldados brasileiros se aliaram aos exércitos do Uruguai e da Argentina, recebendo orientações para implantarem a república no Brasil.
Os movimentos republicanos também já aconteciam no país, a imprensa trazia politização à população civil, para lutarem pela libertação do país dos domínios de Portugal. Com isso, vários partidos teriam sido criados, desde 1870.
A Igreja também teve sua participação para que a república do Brasil fosse proclamada. Dois bispos foram nomeados para acatarem as ordens de D. Pedro II, tornando-se seus subordinados, mas não aceitaram tais imposições. Com isso, foram punidos com pena de prisão, levando a igreja a ir contra o governo.
Com as tensões aquecendo o mandato de D. Pedro II, o mesmo dirigiu-se com sua família para a cidade de Petrópolis, também no estado do Rio de Janeiro.
Porém seu afastamento não foi nada favorável, fez com que fosse posto em prática um golpe militar, onde o Marechal Deodoro da Fonseca conspirava a derrubada de D. Pedro II.
Boatos de que os responsáveis pelo plano seriam presos fizeram com que a armada acontecesse, recebendo o apoio de mais de seiscentos soldados.
No dia 15 de novembro de 1889, ao passar pela Praça da Aclamação, o Marechal, com espada em punho, declarou que a partir daquela data o país seria uma república.
Dom Pedro II recebeu a notícia de que seu governo havia sido derrubado e um decreto o expulsava do país, juntamente com sua família. Dias depois, voltaram a Portugal.
Para governar o Brasil República, os responsáveis pela conspiração montaram um governo provisório, mas o Marechal Deodoro da Fonseca permaneceu como presidente do país. Rui Barbosa, Benjamin Constant, Campos Sales e outros, foram escolhidos para formar os ministérios.

Por Jussara de Barros
Graduada em Pedagogia
Equipe Brasil Escola

url: http://www.brasilescola.com/datacomemorativas/dia-da-proclamacao-da-republica.htm

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Oficina sobre O Desafio da Superação do Racismo nas Políticas Públicas



A Delegacia Seccional de Polícia de Adamantina, em parceria com a Coordenação de Políticas para a População Negra e Indígena, da Secretaria de Estado de Justiça e da Defesa da Cidadania, Câmara Municipal de Adamantina e 59ª Subseçãode Ordem dos Advogados do Brasil, tem a honra de convidar Vossa Senhoria para oficina sobre "O Desafio da Superação do Racismo nas Políticas Públicas" que se realizará às 14:00 horas do dia 17 de novembro de 2010, no Salão Nobre da Associação Comercial e Empresarial de Adamantina, na Alameda Fernão Dias nº398.
O evento será ministrado pela Professora Roseli de Oliveira e pela Doutora Eni Augusta de Paula, da Secretaria de Estado de Justiça e Defesa da Cidadania.
O tema é de relevância e coincidirá com a Semana da Consciência Negra, que tem tem como escopo a reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira.
Contamos com a sua presença.

Informações:

Delegacia Seccional de Polícia de Adamantina - fone: 3521-2484 (falar com Israel)
59ª Seção da Ordem dos Advogados do Brasil - fone: 3522-1115 (falar com o Dr.Igor)

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Concluyen con éxito histórico rescate de mineros en Chile

url del image:http://www.prensalibre.com/bbtcontent/clipping/PREIMA20101013_0176/5.jpg
Los 33 mineros que estuvieron atrapados por más de dos meses en las entrañas de Chile volvieron este miércoles a ver el mundo, en un emotivo rescate que puso fin a un encierro de dos meses y se convirtió en el mayor hito de supervivencia bajo tierra de la historia.

A continuación, una cronología de los eventos de uno de los peores accidentes en la historia de la minería.

AGOSTO 2010
5 – Cerca de las 14.00 hora local (1800 GMT), se produce un derrumbe al interior de la pequeña mina de cobre y oro San José, en el extremo norte de Chile.
En la noche de ese día se informa de la gravedad del accidente. Tras hablarse primero de 25 mineros atrapados, luego se eleva la cifra a 33 y se conoce que están a unos 700 metros de profundidad, sin posibilidad de saber en qué condiciones.
6 – El ministro de Minería, Laurence Golborne, suspende una visita a Ecuador y regresa a Chile para encabezar las labores de rescate de los mineros. Inmediatamente se traslada a la mina, ubicada a unos 800 kilómetros al norte de Santiago.
Un equipo de socorristas ingresa por una de las chimeneas de ventilación a la mina, pero al día siguiente desechan esa opción por problemas de seguridad y bloqueo del ducto por el que se había planeado descender al refugio.
7 – El presidente Sebastián Piñera suspende una visita a Colombia y regresa al país para acompañar a los familiares de los mineros que acampan en las afueras de la mina siniestrada.
8 – Máquinas de sondaje inician labores de perforación de pequeños ductos para intentar dar con la zona del refugio.
11 – Piñera destituye a directivos del regulador de la actividad minera y ordena la intervención del organismo por su eventual responsabilidad tras el accidente.
12 – El ministro de Minería dice que las posibilidades de hallar con vida a los mineros son bajas. 19 – Una sonda que llevaba 726 metros de profundidad fracasa en su objetivo de dar con el lugar en que se pensaba estaban los mineros. Pero otras ocho sondas continúan adelante con sus labores de perforación.
22 – La madrugada de ese domingo, una tercera sonda logra romper fondo a unos 688 metros de profundidad y luego se sienten ruidos que abren las esperanzas de que los mineros podrían estar con vida.
En la tarde, el ministro de Minería saca de una de las barras de acero de una máquina de sondaje un papel con letras rojas que dice: “Estamos bien en el refugio, los 33″. Familiares y autoridades celebran y la noticia conmueve al mundo.
23 – Se instalan los primeros tubos de plásticos llamados palomas, que viajan hasta el fondo de la mina para suministrar los primeros alimentos con mucha glucosa.
Una cámara de video baja a través del pozo que sirve como especie de cordón umbilical. Mediante un improvisado citófono, el jefe de los mineros dice a los equipos de rescate: “Estamos bien, esperando que nos rescaten”.
24 – Comienza el desplazamiento de maquinaria pesada que se va a montar para iniciar labores de perforación a mayor escala con el fin de abrir un pozo por el que pueda viajar una cápsula que evacue a los mineros. Autoridades estiman que labores de rescate durarán 90 días.
30 – La máquina “Strata-950″ del denominado “Plan A” inicia la excavación en el diámetro final.

SEPTIEMBRE 2010
6 – La perforadora de la T-130 del “Plan B” inicia sus labores de sondaje en el diámetro final.
20 – Una tercera máquina de sondajes de petróleo, denominada “Plan C”, inicia sus operaciones de perforación para el rescate.

OCTUBRE 2010
8 – Autoridades estiman que en la noche la máquina del “Plan B” rompa fondo y alcance el objetivo de perforación de 622 metros. Pero las labores se atrasan.
9 – Máquina perforadora alcanza a las 08.05 hora local (1205 hora GMT) la profundidad trazada para iniciar el rescate. Equipos de socorristas deciden reforzar hasta los primeros 96 metros de la abertura del ducto, lo que demorará unas 24 horas.
9 – El Gobierno estima que el rescate de los mineros será el miércoles 13 de octubre.
10 – Equipos trabajan en el montaje de los tubos de acero que reforzarán el ducto de escape de los mineros.
11 – Finaliza la instalación de los tubos que reforzarán el tubo de rescate. El equipo de socorristas comienza a hacer pruebas con las cápsulas diseñadas para sacar a los mineros y bajar sin problemas a través del ducto.
12 – Llega el llamado día “D”. Tras intensos preparativos comienza la noche del martes las labores de rescate que izarán a los mineros atrapados después de casi 70 días de encierro, cuando el primer socorrista bajó en una cápsula especial hasta los 622 metros, donde cerca de la medianoche inicia su ascenso el primer rescatado.
13 – A las 00.10 hora local (0310 GMT) llega a la superficie el primer minero en ser rescatado, Florencio Avalos, a la superficie en una cápsula que ascendió su trayecto en 16 minutos.
A las 21.55 hora local (0055 GMT del 14 de octubre) es rescatado el último de los 33 mineros, Luis Urzúa, poniendo fin a una exitosa e histórica operación de rescate. Reuters
fuente: http://www.lapatilla.com/site/2010/10/13/concluyen-con-exito-historico-rescate-mineros-chile-cronologia/

domingo, 10 de outubro de 2010

Israel Coutinho recebe homenagem da Polícia Civil

Israel Coutinho, Percival de Souza e Sensei Maruyama
O investigador adamantinense Israel Pereira Coutinho recebeu na quinta-feira (30) na Academia de Polícia do Estado de São Paulo a Medalha Jorge Tibiriçá, outorgada àqueles que prestaram relevantes serviços à instituição policial civil do Estado.
Jorge Tibiriçá Piratininga foi o segundo governador de São Paulo (18 de outubro de 1890 a 7 de março de 1891) e criador da Polícia Civil do Estado de São Paulo. A Medalha Jorge Tibiriçá foi entregue em poucas ocasiões, haja vista que é a mais alta condecoração da polícia paulista.
No evento, apenas cinco delegados e três investigadores receberam a homenagem e Coutinho foi um deles.
fonte: Adamantina em Pauta
url: http://www.adamantinaempauta.com.br/noticia/acontece/israel-coutinho-recebe-homenagem-da-policia-civil/

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Boletim de ocorrência lavrado no 4º D.P. de Guarulhos/SP


Fonte da imagem: Internet

Histórico: 
Hoje, num dia aparentemente modorrento, fomos agraciados com a visita de uma figura não menos que ilustre. Há tempos, ele por aqui não aparecia. Decerto, estava envolto na batalha inclemente que trava diuturnamente nestas plagas, que só não são mais inóspitas por conta de sua sanha irrefreável de combater a criminalidade que, por vezes, aqui pretende, mas não consegue grassar. Pois bem, sabidamente este valoroso miliciano – relevem o clichê – dispensa comentarios. Sim, é ele. O valoroso e intrépido paladino Cb Veron. Entoamos e escrevemos seu nome com a reverência devida. Ele nos dá conta de que, no dia e hora epigrafados, encarregado que é da vtr 44191, ao efetuar um patrulhamento de rotina, no entorno do endereço supra, deparou-se com dois indivíduos na condução de um motociclo. O que, para maioria de nós, é uma cena prosaica, despertou-lhe o seu já conhecido instinto de aguerrido policial, mormemente pelo fato dos tais indivíduos, ao divisarem a viatura, empreenderem prematura e alucinada fuga. Como não poderia deixar de ser, nosso condutor disse, em alto e bom som, para seu colega de farda, Sd Carlos José: ” Siga-os. Não os perca de vista” Iniciou-se assim uma frenética perseguição. Verdadeiramente, ela tomou contornos cinematográficos. Tanto que, o condutor do motociclo, lá pelas tantas, sentindo a obstinação do Cabo Veron que o persseguia, tomado pela paúra, perdeu o controle do motociclo, vindo a se precepitar para dentro de um córrego havido nas imediações. Mais do que imediatamente, com a viatura ainda em movimento, nosso condutor desembarcou, para, ato contínuo, vociferar com sua já conhecida voz de trovão: ” parados, POLICIA”. Os meliantes não ousaram esboçar qualquer reação. Pois bem, nesta rocambolesca toada, o Cb Veron, orientado pela praxe, antes mesmo de encetar colóquio informal com os roubadores, efetuou a consulta da placa respectiva, vindo a saber que a moto em apreço fora roubada no dia 28 do corrente mês e ano, o que, inclusive, ensejou a feitura de um boletim nesta mesma distrital. Boletim este sob n. 4816. Com um sorriso no canto da boca, balbuciou: “meu instinto não falha, é como uma premonição” Bom, com os meliantes detidos, e com a moto retirada do córrego, Verom encetou contato com a vítima que consta do bo prejacente, conclamando-a a comparecer nesta distrital. Neste meio tempo, levou os implicados para serem atendidos no Hospital Pimentas, onde foram medicados e liberados pelo Dr. Henrique Bella, CRM: 128927. Superadas tais intercorrências, todos compareceram nesta distrital. Com toda celeridade possível encetou-se as providências de praxe. A autoridade signátaria indagou da vítima que consta do boletim 4816 se ela tinha condição de reconhecer os roubadores, ao que ela respondeu negativamente, haja vista que os mesmos, por ocasião do roubo, usavam capacetes insulfimados. Sem embargo, por cautela, realizou-se o reconhecimento formal, que, de fato, restou negativo. Assim, em posse deste dado, foi realizada entrevista informal com o implicado Emersom. Este, todavia, não soube esclarecer a contento a razão de estar com aquele motociclo, asseverando que adquiriu de um terceiro. Daquele jeito que só malandro fala: blá, blá, blá…. O outro implicado, por sua vez, de prenome Carlos disse que apenas tinha pego uma carona com Emersom. Por ser menor de idade, viu-se enredado nos ditames do Estatuto da Criança e do Adolescente, mais especificamente nas disposições do seu art 174 e seguintes, sendo acompanhado e liberado mediante o compromisso de apresentá-lo a Vara da Infância a sua tia Roseli. No que toca à pessoa do increpado Emersom, considerando os ditames da legislação repressora pátria, lavrou-se em seu desfavor o respectivo auto, na exata dicção do art. 180, “caput” do Código Penal. Possui ele, antecedentes quando ainda menor, tendo completado a maioridade no mês de maio do corrente ano. Antes disso já perambulou por diversas unidades da polícia civil desta Seccional de Guarulhos. Já esteve inclusive apreendido na Fundação Casa, por dois anos. Não pode se olvidar dos requisitos para adquirir uma moto. Aliás, é só passar os olhos pelos atos infracionais que praticou, uns tantos deles, envolveram aquisições de motos “pinadas”. Como não trabalha, como será que obteve dinheiro para aquisição do motociclo, ainda que pela barganha de R$500, como afirmou em interrogatório? Essa dúvida não lhe favorece. Se realmente comprou, como disse, por que não parou ao notar a viatura? Sem nos aprofundar, são estes os breves fundamentos para mantê-lo encarcerado mediante a lavratura deste auto de prisão em flagrante. No que toca ao veículo propriamente, após verificada sua idoneidade e da vítima, foi efetivada a devolução mediante auto proprio. Ao final, enquanto todos já demonstravam esgotamento pelo laborioso flagrante, assistimos, entre embasbacados e admirados, o Cb Veron adentrar na sua viatura e anunciar: ” Vamos Sd Carlos, a noite ainda não acabou…”. Foram feitas as devidas comunicações. Emersom, encaminhado a Cadeia Pública do 1. DP de Guarulhos. Requisitou-se perícia para a moto e exame de corpo de delito aos lesionados.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Vídeo prova falha de pistola .40

Matéria veiculada em novembro de 2005 pelo jornal do sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores do Rio Grande do Sul (UGEIRM).

Os agentes policiais Ronaldo de Oliveira Gomes, de Passo Fundo, e Giovane Manique, de Porto Alegre, morreram em 2005 em confronto com bandidos. Em ambos os casos, houve falha de uma pistola .40. Não resta mais dúvida quanto qualidade desse equipamento. .Um teste gravado em vídeo, que está em poder da Acadepol há mais de dois meses, revela que a Polícia Civil precisa substituir todas as pistolas. Imediatamente.
"Não podemos admitir que nossos colegas trabalhem com uma arma que apresenta falhas. Isso é uma enorme irresponsabilidade, pois deixa o policial em desvantagem ao reagir. A Ugeirm recomenda a todos que não usem essas armas e espera não contabilizar mais uma morte com a mesma circunstância. Caso isso aconteceça, seremos forçados cobrar responsabilidades", assinala Isaac Ortiz, presidente do sindicato.
Antes da gravação do teste, realizado na área de tiro da Aeronáutica, em Canoas, as pistolas .40 usadas por 24 policiais gaúchos passaram por prévia avaliação. "Todas estavam em perfeito estado de conservação manuntenção. Eu mesmo verifiquei uma por uma", atesta Vagner Souza, investigador da Divisão Anti-Seqüestro do DEIC de São Paulo.
"Registramos dez panes em quatro horas, uma falha a cada 24 minutos", sustenta o delegado Maurício Soares, da Acadepol paulista. Cada agente policial gaúcho, que participava de curso para investigação de seqüestros, efetuou cerca de 100 disparos. Portanto, foram dez falhas em 2,4 mil disparos. "Parece pouco, mas não pode haver tantas panes assim", completa o delegado.
O diagnóstico feito pelos policiais paulistas é de falha no projeto da arma, potencializado quando não há boa manutenção ou conservação da pistola. "Não é nada contra a Taurus, tanto que compramos uma 24/7, do mesmo fabricante, para substituir as nossas pistolas .40 lá em São Paulo", frisa o investigador. O delegado salienta que o problema é de alimentação. "É no extrator", explica.

Histórico

Em 2002, um policial paulista ficou ferido em um tiroteio. Ele usava uma pistola .40. No ano seguinte, foi feito um teste em São Paulo. “Além de nossos peritos, participaram dois engenheiros da Taurus. O teste provou a falha de confiabilidade (sic)”, conta Vagner. Todas as armas foram recolhidas e a Taurus ofereceu recall. Mas nenhum policial paulista quis trabalhar com pistola .40. O teste realizado em São Paulo em 2003 também foi gravado. O Jornal da Ugeirm apurou que essa fita também chegou ao conhecimento de autoridades policiais gaúchas.
fonte: http://www.ugeirm.com.br/linhadefrente/11_05/denuncia.html

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O Blog Polícia On-line é lido em mais de 20 países

Desde a criação do Blog Polícia On-line percebemos que, vez ou outra, recebíamos postagem de leitores de outras nacionalidades.  Decidimos então adicionar o Gadget Flag Counter, para monitoramento dos visitantes.
Do final do mês de agosto até a presente data, internautas de mais de 20 países visitaram o nosso blog.
Confiram abaixo:
Relatório do Flag Counter do dia 08/09/2010

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Truck Carrying Over 2 Tons of Explosives Stolen in Brazil


SAO PAULO – Five armed men stole a truck in Sao Paulo that was carrying nearly 2.4 tons of explosives, including 850 kilos (nearly one ton) of dynamite, the Brazilian press reported.
The truck was stolen Wednesday at kilometer 4 of the Fernao Dias highway, which links Sao Paulo and Minas Gerais states, the Folha de Sao Paulo newspaper reported on its Web site, citing police.
The robbers, who were traveling in two automobiles, cut off the truck and abducted the driver, who was released several hours later.
Police and army investigators are trying to track down the robbers and recover the stolen explosives.
The explosives belong to a chemical company in the southern city of Curitiba that has a subsidiary on the outskirts of Sao Paulo, Brazil’s largest city and the capital of the like-named state.
The truck was also carrying other items, including 1,220 detonators. EFE
url:http://www.laht.com/article.asp?ArticleId=364879&CategoryId=14090

terça-feira, 31 de agosto de 2010

OS DEZ ERROS QUE TÊM LEVADO POLICIAIS EXPERIENTES À MORTE

url:http://img.limao.com.br/fotos/6F/D8/FB/6FD8FB1ED3F24F3DBFB452481CF73E44.jpg

Tradução e adaptação: Israel Pereira Coutinho

De acordo com a “National Law Enforcement Officers Memorial Foundation” os dez erros que tem levado policiais experientes à morte são:

ATITUDE – Se você não está concentrado no trabalho ou leva os problemas pessoais quando sai a campo, você está cometendo erros. Isso pode custar sua vida ou dos seus parceiros.
CORAGEM DE TOMBSTONE* – Ninguém tem dúvidas que você é corajoso. Mas se a situação permitir,  AGUARDE a chegada do reforço. Você não deve iniciar uma diligência perigosa sozinho.
NÃO DESCANSAR O SUFICIENTE – Para trabalhar você deve estar alerta. Dormir ou estar sonolento durante o trabalho não é apenas contra o regulamento, mas você se expõe, expõe a comunidade e os seus parceiros.
ESTAR MAL POSICIONADO – Nunca permita que alguém que esteja sendo abordado ou detido te conduza para uma posição de desvantagem. Sempre esteja atento quanto à sua posição. Mantenha a vantagem. Cada chamada é uma chamada, cada abordagem é uma abordagem. Não caia na rotina.
SINAIS DE PERIGO – Como um policial você deve reconhecer os “sinais de perigo”. Movimentos rápidos e carros suspeitos são avisos que podem te alertar para prestar atenção e se aproximar com cautela. Conheça sua comunidade e atenção para onde olha, e sempre observe se há algo de errado.
FALHA AO OBSERVAR AS MÃOS DO SUSPEITO – Ele é capaz de alcançar alguma arma ou te atacar com as mãos? O único meio dele alcançar uma arma ou te atacar é usando as mãos.
RELAXAR PRECOCEMENTE – Observe cuidadosamente. Você tem certeza que a ocorrência acabou. Não tenha pressa em relaxar simplesmente porque a ameaça imediata e aparente foi neutralizada.
USO IMPRÓPRIO OU O NÃO USO DAS ALGEMAS – Veja se a mãos que podem matar estão seguramente algemadas. Uma vez feita a prisão, algeme o prisioneiro imediata e corretamente.
NÃO FAZER A BUSCA OU FAZÊ-LA INADEQUADAMENTE – Há muitos lugares para se esconder armas e, se você falhar na busca, poderá pagar com sua própria vida ou a dos seus parceiros. Muitos criminosos portam diversas armas e estão preparados para usá-las contra você.
ARMA SUJA OU INOPERANTE – Suas armas estão limpas? Elas funcionam? E a munição? Quando foi o último tiro que você deu no estande ou em confronto? Qual o sentido de portar qualquer arma de fogo se você não sabe se funcionará quando mais precisar?

*Tombstone é uma cidade localizada no Estado do Arizona, Estados Unidos, e no passado, foi palco de inúmeros duelos entre pistoleiros.

sábado, 28 de agosto de 2010

POLÍCIA: A mais estressante e criticada das profissões

Policiais da Força Nacional em confronto com criminosos no Rio de Janeiro em 2006
Por Archimedes Marques*
Apesar da Polícia trabalhar mantendo a ordem pública, protegendo a sociedade, aconselhando, dirimindo conflitos, evitando o crime, investigando, fazendo a paz ou regulando as relações sociais, é considerada por boa parte da população como ineficiente, violenta, agressiva e criminosa.
Por conta desses atributos negativos, o desgaste das instituições policiais e dos seus membros é iminente e presente, aumentando ainda mais a ansiedade e a angustia de cada um para constatar o seu estresse, cansaço e desolação.
Apesar do bom policial dar o melhor de si durante o seu labute, de sair de casa sem saber se volta a ver mais os seus filhos, de ser capaz de dar a sua própria vida para defender a sociedade contra o marginal, de trabalhar quase sempre por um salário não condizente com a importância da sua missão, é veementemente criticado pela mídia e pelo povo quando por um deslize qualquer deixa de exercer a sua função satisfatoriamente.
Trabalhar excessivamente lidando com o público, com os problemas brutais da sociedade, com o perigo constante, com a prevenção e repressão aos crimes diariamente e permanentemente e ainda não se ver recompensado psicologicamente e financeiramente, não pode deixar alguém, por mais forte que seja, sem se sentir cansado e estressado.
Enquanto que para a sociedade o crime comumente assusta e todos são condicionados a correr de uma briga, a fugir de um iminente perigo, o policial, por sua vez, deve correr em sua direção e ali estar presente para manter a paz pública.
Aliados a essa problemática da incompreensão, ingratidão, critica negativa por parte da sociedade, ainda resta a questão da sobrecarga de trabalho alcançada por muitos policiais, que por conta dos baixos salários que percebem, buscam alternativas na vida privada para complementar o seu ganho e melhor suprir as necessidades da sua família, ou seja, passam eles a fazer o famoso “bico” nas suas horas de folga, horas essas que seriam dedicadas ao seu descanso, ao laser, a um melhor convívio com seus filhos e que são perdidas nessa nova atividade, aumentando assim, consideravelmente o seu cansaço físico e o conseqüente estresse emocional, isso quando não ocorre morte em confronto com os marginais.
Infelizmente, também é triste ter que constatar que muitos dos nossos policiais, por absoluta falta de opção e condição financeira, residem na periferia das grandes cidades, por vezes até nos morros ou bairros dominados pelo tráfico. Suas vidas e dos seus familiares correm por um fio e por isso vivem eles a se esconder para que ninguém saiba a sua verdadeira profissão. Quando são policiais militares andam com suas fardas escondidas em sacolas para só vesti-las nos seus locais de trabalho. Essa constante preocupação é também fator de grande somatório para o aumento do estresse para qualquer um que viva tal drama.
É fácil concluir que para haver o saneamento desses problemas, necessário se faz mudanças de pensamentos e atos do povo, passando a sociedade a sentir a sua Policia a luz do valor da amizade para em boa cumplicidade apoiar as suas ações de resgate da dignidade corroída pelo poder publico através dos anos, ao invés de arrastá-la cada vez mais para o fundo do poço, ao mesmo tempo em que urge também por vontade política em resolver de vez a situação salarial e social das Polícias, principalmente com a implantação do piso nacional, assim como, pela unificação das classes, para uma Policia efetivamente única e forte, reduzindo o estresse de cada membro, melhorando assim o desempenho de todos para uma real prestação de serviços à sociedade.

*Delegado de Policia. Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Segurança Publica pela Universidade Federal de Sergipe. archimedes-marques@bol.com.br
Fonte: http://www.politicaexterna.com/11371/polcia-a-mais-estressante-e-criticada-das-profisses

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Autoridades atribuyen a narcos matanza de 72 migrantes en México

url: http://www.elimparcial.es/images/uploads/sobreviviente-matanza.efe.contenido.jpeg

MEXICO - Los 72 inmigrantes indocumentados asesinados en Tamaulipas, México, habrían sido víctimas del cartel de Loz Zetas, cuyos miembros los habrían ejecutado por negarse a ser sicarios, según versión del testigo y único sobreviviente de la masacre que indigna al mundo.
El descubrimiento de los indocumentados del centro y sur de América en una finca del norte de México, justo al sur de la frontera con Estados Unidos, representa un recordatorio espantoso de la brutalidad del tráfico de personas en un país con una amplia presencia de los carteles de la droga.
Un ecuatoriano herido que escapó del lugar de la matanza en el estado de Tamaulipas le dijo a las autoridades que los migrantes habían sido secuestrados por individuos que se identificaron como parte de Los Zetas, una banda narcotraficante que ejerce en partes de esa región un control tan brutal y total que incluso numerosos mexicanos evitar viajar por carreteras de la zona.
Los migrantes que se aventuran por México para llegar a Estados Unidos han sido desde hace tiempo víctimas de extorsión, violencia y robo. Pero han aumentado las informaciones de secuestros masivos de migrantes, que son forzados a dar los números telefónicos de parientes en Estados Unidos o en su país de origen, a los cuales a su vez se les exige la transferencia de pagos de rescate a los plagiarios.
-leer más: http://noticias.univision.com/mexico/noticias/article/2010-08-26/zetas-fusilaron-indocumentados

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Comissão aprova isenção de IPI na compra de carros por policiais

Da Agência Câmara

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado aprovou na quarta-feira (12/05) proposta que concede isenção de IPI aos carros comprados por integrantes dos órgãos de segurança pública. A proposta beneficia policiais federais, rodoviários federais, ferroviários federais, civis e policiais militares e guarda Municipal , além dos bombeiros.
O texto aprovado é um substitutivo ao Projeto de Lei 6256/09, do deputado Major Fábio (DEM-PB), que originalmente previa o benefício apenas para policiais militares e bombeiros com pelo menos três anos de serviço. O substitutivo, apresentado pelo relator na comissão, deputado Capitão Assumção (PSB-ES), incluiu as outras categorias da segurança pública e determinou sua validade a partir do ingresso na carreira.
O projeto foi apresentado para facilitar a compra de veículo próprio pelos profissionais de segurança pública e, assim, garantir maior segurança nos deslocamentos.
Capitão Assumção explicou que todas as categorias estão sujeitas aos riscos inerentes às profissões da segurança pública, podendo tornar-se alvo de bandidos em transportes coletivos, não importando o tempo de serviço.
“Nem que seja por um dia, o exercício da profissão de segurança já induz a perigos. Sendo assim, não podemos exigir que a pessoa se exponha por três anos para fazer jus ao benefício”, argumentou.
Tramitação

O projeto tramita em caráter conclusivo e ainda será analisado pelas comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. As informações são da Agência Câmara.

Íntegra da proposta:
PL-6256/2009
http://www.camara.gov.br/internet/sileg/Prop_Detalhe.asp?id=455836

Groupe d'intervention de la Gendarmerie nationale


http://www.gendarmerie.interieur.gouv.fr/gign/Decouverte/Heraldique-de-l-insigne
Structure
Le groupe a été fondamentalement modifié le 1er septembre 2007. Il est dorénavant fort de plus de 380 hommes et femmes (officiers et sous-officiers) hautement spécialisés, regroupés au sein de 5 forces complémentaires (intervention, protection, observation/recherche, appui opérationnel, formation).
COMPOSITION DU GIGN
Le Groupe d'intervention de la gendarmerie nationale est implanté à Versailles (Yvelines). Il est ainsi structuré :
l'état-major commandement : cabinet, chargés d'étude, cellule communication, cellule relations internationales, secrétariat, cellule réserves;
l'état-major opérationnel: dédié exclusivement aux opérations : 20 officiers et sous-officiers spécialisés dans la gestion de crise, la négociation, l'évaluation, audit, etc;
l'état-major de soutien : 75 officiers et sous-officiers ayant en charge les aspects administratif, financier, logistique et la gestion des ressources humaines;
la force intervention : 100 officiers et sous-officiers;
la force sécurité/protection : 80 officiers et sous-officiers;
la force observation / recherche : 30 officiers et sous-officiers;
la force appui opérationnel : 25 officiers et sous-officiers répartis dans diverses cellules : moyens spéciaux, ouverture, tirs spéciaux, cynophile, dépiégeage;
la force formation : 35 officiers et sous-officiers.
Sources : http://www.gendarmerie.interieur.gouv.fr/gign/Decouverte/Structure2

Historique
Le facteur déclenchant :
Les événements de 1972 font naître dans de nombreux pays, une réflexion sur les problématiques de lutte contre les agressions terroristes. La prise d’otages qui se déroule en septembre 72 aux Jeux Olympiques de Munich (Allemagne) en est le catalyseur le plus marquant. Mais la réflexion est déjà dans les esprits depuis quelque temps et dès novembre de cette même année, la gendarmerie propose de créer, en région parisienne, un commando destiné à lutter contre la piraterie aérienne, constitué “à partir d’éléments sportifs entraînés” et “dont l’intervention pourrait être demandée sur l’ensemble du territoire national“.
A sa création en 1974 , le GIGN (Groupe d'intervention de la gendarmerie nationale) est scindé en deux groupes:
- le GIGN 1 , basé à Maisons-Alfort (Val-de-Marne), descendant de l'ECRI (Equipe commando régionale d'intervention) créée au sein de l'escadron 2/2 de gendarmerie mobile;
-le GIGN 4 , basé à Mont-de-Marsan (Landes), au sein de l'escadron 9/11 parachutiste de gendarmerie mobile.
Les deux unités sont regroupées en 1976 à Maison-Alfort, au sein d'un seul GIGN, déplacé en 1983 à Versailles (Yvelines).
En 1984 , les capacités antiterroristes de la gendarmerie se développent et un GSIGN (Groupement de sécurité et d'intervention de la gendarmerie nationale) est créé, qui intègre le GIGN , l'escadron 9/11 parachutiste rebatisé EPIGN (Escadron parachutiste d'intervention de la gendarmerie nationale) et le GSPR (Groupe de sécurité de la présidence de la république) créé en 1983 pour assurer la sécurité du chef de l'Etat. Enfin, en 1985, est créé le groupe instruction, qui portera par la suite les noms de centre de formation puis de GISA (Groupe d'instruction et de sécurité des activités).
Dans un souci d'adaptation permanente de l'outil de contre-terrorisme à la menace, une importante réforme est engagée en 2007 . Elle conduit à la création d'un nouveau GIGN, à la date du 1er septembre 2007, qui incorpore désormais au sein d'une même unité le GIGN de 1974, l'EPIGN, le détachement gendarmerie du GSPR et le GISA.
Depuis l'origine, les hommes du GIGN se sont engagés dans des opérations célèbres et sur des zones de crise multiples en France comme à l'étranger, libérant ou évacuant plus de 600 otages et 700 ressortissants français et étrangers menacés.
L'intervention conduite le 26 décembre 1994 , au cours de laquelle les otages du vol AF 8969 furent libérés sains et saufs sur l'aéroport de Marseille-Marignane, reste l'exemple des situations extrêmes que le GIGN est en mesure de gérer aujourd'hui plus encore qu'hier.Sources : http://www.gendarmerie.interieur.gouv.fr/gign/Historique

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Ex-policeman hijacks tourist bus in Philippines

by Mynardo Macaraig  – Mon Aug 23, 1:03 am ET


MANILA (AFP) – An ex-policeman armed with a high-powered assault rifle hijacked a bus carrying more than 20 Hong Kong tourists including children in the Philippine capital on Monday, police said.
Six hostages, three of them children, were released by the gunman about three hours after the standoff began, with the drama being played out live on national television.
"There are children and adults on the bus," Metro Manila police commander Director Leocadio Santiago said on DZBB radio. "He is armed with an M-16 assault rifle," he added.
Police said they were negotiating with the gunman, a former policeman who was discharged in 2008 for his alleged involvement in drug-related crimes and extortion, and was demanding to be reinstated.
Children could be seen peeking from the drawn curtains as a lone police negotiator stood near the scene at a popular tourist park in Manila.
A national police statement said at least 22 tourists from Hong Kong were on board the bus, along with the driver. Earlier, police had said they were South Koreans.
"We have never had anything like this before -- we are very much concerned," said Joseph Tung, executive director of the Travel Industry Council of Hong Kong. "We hope the tour members will be released as soon as possible."
He said there had been 20 passengers on the bus, aged four to 72, plus a Hong Kong escort and local guide leading the three-day tour, when it was seized. The tour group was scheduled to return to Hong Kong late Monday.
Tung said the council, which represents Hong Kong's travel sector, had not been told of any ransom demands for the hostages' release.
"We have heard nothing like that so far," he said.
Hong Thai travel agency, which ran the tour, could not be immediately reached for comment.
About three hours after the stand-off began, the ex-policeman released six people.
Live television footage showed the bus parked in front of a grandstand at Rizal Park, a popular tourist destination just a few blocks from the police headquarters.
Santiago identified the suspect as Rolando Mendoza, a decorated former police senior inspector before he was accused and relieved of his post.
National police spokesman Senior Superintendent Agrimero Cruz said the bus had been isolated and police had deployed commandos in the area, adding that talks with the gunman had begun.
"Negotiations are ongoing," Cruz told reporters.
The hostage-taking came hours after a South Korean man was killed in a separate attack on a vehicle by gunmen elsewhere in Manila. Two of his companions were seized at gunpoint but later released.
The motive for the attack was not clear, although kidnap-for-ransom gangs often target foreign tourists and businessmen in areas near Manila and in the provinces.
Police said the incidents were not related.
Monday's bus hijack recalled a similar hostage-taking in 2007, when a troubled civil engineer armed with a grenade took over a bus and held 30 children but freed them after a 10-hour standoff with police.
The 2007 drama took place near Manila city hall, just off Rizal Park.
http://news.yahoo.com/s/afp/20100823/wl_asia_afp/philippinescrimehijack

SWAT - Storia e Equipaggiamento


Da Wikipedia, l'enciclopedia libera
SWAT è l'acronimo inglese per Special Weapons And Tactics (in origine era Special Weapons Assault Team), che indica i reparti scelti presenti in molti dipartimenti di polizia statunitensi. Queste unità vengono impiegate per compiere operazioni ad alto rischio, come arresti di importanti criminali, prevenzione di attacchi terroristici e scontri a fuoco con criminali. Nella maggior parte dei casi, però, il salvataggio degli ostaggi è un compito che spetta all'Hostage Rescue Team (HRT) dell'FBI, in quanto il sequestro di persona negli Stati Uniti d'America è un reato federale.
L'obiettivo primario della S.W.A.T. è salvare vite umane, infatti cercano, solo se possibile, di non sparare nemmeno un colpo quando si trovano sul campo.
Storia
La SWAT nacque intorno agli anni '60, nella città di Delano (California), dato che la polizia non era in grado di affrontare determinate situazioni ad alto rischio (risultanti fuori dallo standard d'addestramento). Successivamente la polizia di Los Angeles creò una squadra SWAT. Si diede vita quindi a reparti speciali di teste di cuoio. La SWAT ha una storia di continua evoluzione e trasformazione, sia delle tattiche che dell'intero equipaggiamento. Inizialmente i componenti di questa unità d'élite (tutti appartenenti al Los Angeles Police Department, il dipartimento di polizia di Los Angeles) erano agenti volontari con più di 10 anni di servizio. Durante il corso degli anni ci fu un rinnovamento di tutta la struttura amministrativa, sviluppando un reparto speciale diviso in diverse unità. Negli anni '90 divenne l'unità civile di teste di cuoio della polizia più addestrata e più operativa al mondo.
Equipaggiamento
Le squadre SWAT sono equipaggiate con armi specifiche come pistole mitragliatrici le principali pistole mitragliatrici che vengono impiegate dai reparti speciali degli s.w.a.t. sono l' MP5 (in praticamente tutte le sue differenti versioni, MP5A2, MP5A3, MP5A4, MP5A4SD, MP5K) MP è la sigla di Machine Pistole parola tedesca che significa appunto pistola mitragliatrice tutte le pistole mitragliatrici MP5 sono prodotte dalla prestigiosa fabbrica di armi da fuoco tedesca Heckler & Koch. per quanto riguarda i fucili d'assalto gli s.w.a.t. adoperano principalmente il fucile d'assalto M4 e M16. L'M4 nasce come diretta evoluzione della carabina XM177E2 utilizzata durante la guerra in vietnam. Il primo fucile che fu mai utilizzato in Vietnam fu l'M16 fucile di calibro 5.56 NATO e avendo il calcio fisso era molto scomodo da utilizzare da lì ne derivò l'attuale M4 versione accorciata e più leggero che utilizza lo stesso calibro e quindi ha la stessa potenza ma maggiore adattabilità gas lacrimogeni, granate abbaglianti e a pungiglione (le quali, durante la detonazione sparano pallini di gomma), e fucili di precisione in dotazione a tiratori scelti. Oggi per vedere sotto alle porte o dietro agli angoli, adoperano un fibroscopio (che ha sostituito l'obsoleto bastone con specchio). Spesso indossano giubbotti antiproiettile, visori notturni e maschere antigas, elmetti protettivi e una trasmittente per fare rapporto al capo della squadra sui fatti che stanno avvenendo.
url:http://it.wikipedia.org/wiki/SWAT

domingo, 22 de agosto de 2010

Síndrome de Estocolmo

Patricia Hearst durante el atraco protagonizado por el SLA en el Banco Hibernia.
El síndrome de Estocolmo es una reacción psíquica en la cual la víctima de un secuestro, o persona retenida contra su propia voluntad, desarrolla una relación de complicidad con quien la ha secuestrado. En ocasiones, dichas personas secuestradas pueden acabar ayudando a sus captores a alcanzar sus fines o a evadir a la policía.
Debe su nombre a un hecho curioso sucedido en la ciudad de Estocolmo, Suecia. En 1973 se produjo un atraco en el banco Kreditbanken de la mencionada ciudad sueca. Los delincuentes debieron mantener como rehenes a los ocupantes de la institución durante 6 días. Al entregarse los captores, las cámaras periodísticas captaron el momento en que una de las víctimas besaba a uno de los captores. Y, además, los secuestrados defendieron a los delincuentes y se negaron a colaborar en el proceso legal posterior.[1]

Causas
El síndrome de Estocolmo puede parecer curioso a primera vista, pero tiene explicación. En la bibliografía sobre el tema, se mencionan varias posibles causas para tal comportamiento:
Tanto el rehén o la víctima como el autor del delito persiguen la meta de salir ilesos del incidente, por ello cooperan.
Los rehenes tratan de protegerse, en un contexto de situaciones que les resultan incontrolables, por lo que tratan de cumplir los deseos de sus captores.
Los delincuentes se presentan como benefactores ante los rehenes para evitar una escalada de los hechos. De aquí puede nacer una relación emocional de las víctimas por agradecimiento con los autores del delito.
Con base en la historia de desarrollo personal, puede verse el acercamiento de las víctimas con los delincuentes, una reacción desarrollada durante la infancia. Un infante que percibe el enojo de su progenitor, sufre por ello y trata "comportarse bien", para evitar la situación. Este reflejo se puede volver a activar en una situación extrema.
La pérdida total del control que sufre el rehén durante un secuestro es difícil de digerir. Se hace más soportable para la víctima convenciéndose a sí misma de que tiene algún sentido, y puede llevarla a identificarse con los motivos del autor del delito.
 
Casos famosos
Otros casos famosos incluyen rehenes de aviones y otras personas secuestradas, por ejemplo el de Patricia Hearst, nieta del influyente y poderoso editor William Randolph Hearst, quien después de haber sido retenida por una organización terrorista (el Ejército Simbiótico de Liberación), se unió a ellos varios meses después de haber sido liberada.
1.↑ Nils Bejerot: The six day war in Stockholm New Scientist 1974, volume 61, number 886, page 486-487
fuente: http://es.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADndrome_de_Estocolmo

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

POLICIAIS CIVIS DESCONTENTES COM O DESCASO DO GOVERNO

Passados dois anos da greve que paralisou a Polícia Civil por sessenta dias, depois do confronto com a Polícia Militar nas proximidades do Palácio do Governo, os policiais civis de São Paulo estão profundamente descontentes com o não cumprimento das promessas feitas na ocasião. Não dá para esquecer! Neste mês de agosto faz só dois anos!
Os salários continuam sendo um dos piores do país e, até mesmo um projeto de reestruturação das carreiras, que se arrasta há quase dez anos, corre o risco de não se transformar em lei, o que é inconcebível e desastroso, tal a expectativa que gerou.
Há muito tempo os Delegados de Polícia clamam por serem elevados à condição de carreiras jurídicas; os Escrivães e Investigadores de Polícia, que têm nível universitário, continuam ganhando o mesmo salário de 2º grau de escolaridade; os Papiloscopistas Policiais, que na Justiça conquistaram o nível superior, continuam como nível médio de escolaridade; por incrível que pareça, em pleno século XXI, na Polícia Civil de São Paulo ainda existem pelo menos quatro carreiras para as quais se exige apenas o 1º grau do ensino fundamental. Tudo para desmotivar de vez o policial.
A Constituição Federal, ao ser emendada em 4/6/98, determinou em seu artigo 144, § 9º, que a remuneração dos servidores policiais seja fixada na forma de subsídio, constituído de parcela única. Até hoje o governo do Estado não exerceu a competência privativa de que fala a lei maior para a regulamentação da matéria, de modo a também assegurar a revisão geral anual, sempre na mesma data, sem distinção de índices.
Conforme exposto no item anterior, há 16 anos não são repostas as perdas decorrentes da inflação, a despeito de existir lei dispondo sobre a data-base, que não vem sendo cumprida, afetado, sensivelmente, o poder de compra dos policiais.
Boa parte do efetivo de quase 35 mil policiais civis está, portanto, desmotivada, com a auto-estima em baixa e sem perspectiva de progressão na carreira que abraçaram. Mesmo assim, por conta do compromisso que têm de lutar pela paz social, combatem, heroicamente, a criminalidade cada vez mais ousada e violenta. E, por isso, os índices de criminalidade ainda estão sob controle. Porém, não se sabe por quanto tempo terão ânimo para continuar se expondo a cada momento. O quadro é patético, quase desolador!
A Representação Coletiva dos Policiais Civis de São Paulo*, porta-voz de todas as entidades representativas da classe, não poderia ficar silente diante de tamanho descaso por parte do Governo do Estado. Afirma, por outro lado, que continuará lutando pela conquista dos benefícios acima elencados, que foram reconhecidos pelo mesmo Governo quando da greve de 2008 e que ao longo desses dois anos que se passaram nada fez.
Finalmente, os policiais querem ser reconhecidos e valorizados para poderem continuar defendendo a sociedade ante a constante ameaça dos criminosos de toda ordem.
 
*Representação Coletiva dos Policiais Civis de São Paulo:
ACARCEPOL– AEPESP - APPESP – IPA-SP – SINTELPOL – SINDPESP e Sinpols de Campinas, Mogi das Cruzes, Pres. Prudente, Santos, Sorocaba e Rib. Preto jlr/.
fonte:http://www.ipa-brasil.org.br/

terça-feira, 27 de julho de 2010

Vereador pede padronização de armamento ao Comando Geral da Polícia Militar

Através do Requerimento nº123/2010, o Vereador Israel Pereira Coutinho solicita ao Comando Geral da Polícia Militar, a padronização de armamento.
Acompanhem a proposição...

REQUERIMENTO Nº123/2010
Considerando que a Polícia Militar Rodoviária do Estado de São Paulo mantém suas Bases Operacionais longe dos centros urbanos, o que demanda um maior lapso de tempo na chegada de eventual reforço policial;
Considernado que na fiscalização de nossas rodovias muitas vezes os policiais se deparam com criminosos em estado de flagrância;
Considerando que não raro, criminosos resistem à prisão investindo contra os agentes do Estado, muitas vezes com armas sofisticadas;
REQUEIRO, regimentalmente, ouvido o douto Plenário, seja encaminhado ofício ao Comandante Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo, Coronel Álvaro Batista Camilo, solicitando a adoção de arma longa raiada (carabina ou fuzil), preferencialmente no calibre .223 Remington*, para a corporação.

*Nota do autor: o calibre .223 Remington é usado em carabinas e fuzis de assalto como  Colt AR-15/M-16, Ruger Mini-14, Imbel MD97, dentre outros, e é consagrado mundialmente para o uso policial e militar.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Conceito doutrinário de Força Pública

url da imagem: http://petropolisnoseculoxx.zip.net/images/forcapublicanaprimeiradecada.jpg

por Carlos Alberto Marchi de Queiroz*

Nos primeiros dias de fevereiro de 2010, o nobre governador do Estado enviou à Assembleia Legislativa projeto de emenda constitucional – PEC, no sentido de repristinar o nome Força Pública do Estado de São Paulo, afastando a atual denominação Polícia Militar do Estado de São Paulo.
A atitude governamental causou forte impacto nos órgãos de imprensa, no âmbito da Polícia Civil e nas hostes da milícia estadual, principalmente no tocante à sua eventual inconstitucionalidade.
A imprensa escrita revelou que a PEC governamental teria se transformado em um divisor de águas dentro da PM uma vez que parte considerável da tropa e da oficialidade manifestaram, dentro dos limites de urbanidade, contrariedade à mudança de denominação, prevalecendo a vontade do digno coronel comandante-geral da corporação.
A denominação força pública aparece, pela primeira vez, na História da Humanidade na Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, proclamada pela Assembleia Constituinte francesa, em 26 de agosto de 1789, nos seguintes artigos:
Art. 12.º A garantia dos direitos do homem e do cidadão necessita de uma força pública; esta força é, pois, instituída para fruição por todos, e não para utilidade particular daqueles a quem é confiada.
Art. 13.º Para a manutenção da força pública e para as despesas de administração é indispensável uma contribuição comum que deve ser dividida entre os cidadãos de acordo com suas possibilidades.
Com semelhante base legal, os países europeus passaram, paulatinamente, a constituir suas forças públicas, de sorte que, em Portugal, surge a Guarda Republicana, acolitada por polícias municipais e de fronteiras. No mesmo sentido, a Espanha implanta a sua Guardia Civil, apoiada por polícias municipais e de fronteiras.
A França, após a era napoleônica, institui a Gendarmerie Nationale, auxiliada por polícias municipais e de fronteiras, como se pode ver na primeira versão do filme O Dia do Chacal. A Itália, por seu turno cria os famosos Carabinieri, coadjuvados pela polícia de finanças, pelas polícias municipais e de fronteiras.
Nesse contexto, força pública é o conjunto de organizações policiais de caráter preventivo, em um dado momento histórico de cada país. No Brasil, a força pública paulista atingiu o seu melhor conceito doutrinário entre 1936 e 1947, quando sua polícia ostensiva era composta pela Força Policial do Estado de São Paulo, pela Guarda Civil do Estado de São Paulo e pela Polícia Marítima, Aérea e de Fronteiras.
A expressão força pública surge em alguns artigos do Código de Processo Penal em vigor, com o significado de organismo policial de caráter ostensivo, à disposição das autoridades policiais e judiciárias brasileiras.
É do conhecimento dos estudiosos de policiologia que a Polícia Militar do Estado de São Paulo, dentro de suas gloriosas tradições, ostentou os nomes de Força Policial e de Força Pública, por mais de uma vez, até o ano de 1970, ocasião em que todas as milícias estaduais passaram a ser chamadas de Polícias Militares, exceto a milícia gaúcha, que continuou mantendo o seu tradicional nome Brigada Militar.
Longe de querer censurar a PEC ora em trâmite na Assembeia Legislativa, as expressões força pública e polícia militar foram cunhadas de forma equivocada no Brasil, uma vez que a primeira, force publique, de origem francesa, e a segunda, military police, de origem norte-americana, revelam conteúdos diversos daqueles usados no Brasil.
Força pública e polícia militar, já analisadas, são substantivos compostos que data maxima venia não podem rotular genericamente instituições policiais, como fazem corretamente Portugal, Espanha, França, Itália, Alemanha e Inglaterra, estes dois últimos países por nós não analisados.
Polícia militar, substantivo composto, vem sendo utilizado no Brasil a partir da década de trinta, quando os estados brasileiros chamavam suas milícias de Polícia Militar, Força Policial ou Força Pública, ocorrendo a unificação após a Revolução de 1964.
Polícia militar, na sua essência de military police, é um grupamento de todos os exércitos do mundo, destinado policiar seus quadros em áreas de operação ou de conflito, como a PM da FEB, formada por guardas-civis da Guarda Civil de São Paulo, na 2ª Guerra Mundial.
Outras polícias militares brasileiras são a Polícia da Aeronáutica, PA, e a Polícia da Marinha, SP, ou melhor, shore patrol, i.e, patrulha da praia, instituidas para conter os excessos dos aviadores e dos marujos.
Assim sendo, é preciso que os dignos deputados estaduais mergulhem fundo nos livros de História do Brasil, a fim de que possam dar uma solução sábia para essa delicada questão, uma vez que a Força Pública do Estado de São Paulo (1947-1970) deu mais apoio no combate à esquerda, do que a Polícia Militar paulista.
Parece-nos que a questão levantada pelo governo estadual deve passar, necessariamente, pelo crivo da Inspetoria Geral das Polícias Militares – IGPM, órgão do Exército Brasileiro, incumbido da fiscalização das milícias estaduais, uma vez que alguns constitucionalistas pátrios já sussurram sobre eventual inconstitucionalidade da matéria.
Países eslavos, da Europa Central, distinguem bem as forças públicas das polícias judiciárias, chamando-as de Milicja e Policja, solução que não queremos para o nosso Estado face às tradições históricas da Polícia Militar e da Polícia Civil bandeirantes.
Finalizando, desejamos salientar, para não ferir suscetibilidades, que o texto segue as formas de redação e estilo dos jornais brasileiros, cabendo lembrar aos legisladores que procurem buscar, pelo menos, uma outra alternativa onomástica para a nossa co-irmã, uma vez que os substantivos compostos policia militar e força pública são gêneros e não espécie da atividade policial.
(*) Carlos Alberto Marchi de Queiroz é Delegado de Polícia de classe especial, professor de Direito e na Academia de Polícia e escreve em especial para o site da International Police Association – IPA.
fonte:http://adpesp.org.br/artigos/detalhe/136

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Câmara aprova PEC do piso salarial dos policiais dos Estados

Rodolfo Stuckert
O Plenário aprovou nesta terça-feira, em primeiro turno, a proposta de piso salarial para os policiais dos estados (PECs 446/09 e 300/08). O texto aprovado por todos os 349 deputados presentes é o de uma emenda que resultou de um acordo entre o governo e as lideranças da categoria. A matéria ainda precisa ser analisada em segundo turno, antes de seguir para o Senado.
De acordo com a emenda, uma lei federal definirá o piso salarial dos policiais civis e militares e dos bombeiros dos estados, que passarão a receber na forma de subsídio. A mesma lei criará um fundo para ajudar os estados a cumprir o novo piso, disciplinando o funcionamento do fundo e os recursos a ele destinados. A lei também definirá o prazo de duração desse fundo.
A partir da promulgação da futura emenda constitucional, o Executivo terá 180 dias para enviar o projeto dessa lei ao Congresso.

Equilíbrio

Antes da aprovação da matéria, o presidente da Câmara, Michel Temer, cumprimentou todas as lideranças e os deputados mais atuantes na negociação do texto aprovado. "Do envolvimento desses deputados, resultou o envolvimento de toda a Casa, que conseguiu chegar a um termo final, mostrando como a democracia é um diálogo do qual nasce o equilíbrio", afirmou.
Para o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), autor da PEC 300/08, a votação foi possível graças à reunião do presidente da Casa com os líderes na qual ficou definido que a PEC seria pautada ainda nesta terça-feira. "Pode não ser o texto dos sonhos, mas se não tivéssemos votado isso não teríamos votado nada", ponderou Faria de Sá.

Texto negociado

Para o líder do governo, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), que negociou o texto aprovado com a categoria, a Câmara deu "um passo em uma grande caminhada". Segundo ele, "estão de parabéns as lideranças dos policiais e o deputado Arnaldo Faria de Sá, que formulou a ideia geral da proposta".
A PEC 300/08 previa que os policiais dos estados receberiam os mesmos valores pagos aos do Distrito Federal, mas passou a tramitar apensada à PEC 446/09, do Senado, quando esta chegou à Câmara.

Histórico

A primeira versão da PEC 446/09 foi aprovada em março deste ano e continha um piso provisório de R$ 3,5 mil ou de R$ 7 mil para os menos graduados e o menor posto de oficial, respectivamente.
Entretanto, essa parte do texto e outras que tratavam da criação do fundo apenas com recursos federais precisavam ser votadas separadamente. Esses trechos da PEC foram alvos de destaques do PT.
A partir da apresentação dos destaques, as negociações se estenderam até que os representantes da categoria aceitaram retirar, do texto, os valores provisórios do piso e uma nova redação para o fundo que subsidiará os pagamentos do piso definitivo.
fonte: http://www2.camara.gov.br/agencia/noticias/149472.html

terça-feira, 29 de junho de 2010

CURSO DE IMOBILIZAÇÕES TÁTICAS

Nos dias 24 e 25 de julho de 2010 será ministrado pelo CATI POLICE TRAINING.

Local: Sede – CATI DRACENA – Rua João Ottoboni, 77 – Dracena/SP (ao lado da Policia Rodoviária Estadual na SP 294 – Trevo de Dracena/SP).

O horário das atividades será das 08:00 às 22:00, com intervalo para o almoço.

O investimento do curso é de R$ 350,00 vista, ou podendo ser pago em 02 (duas) vezes de R$-175,00 no cartão de crédito (mastercard ou visa que será pago no 1º dia do curso), devendo ser depositado antecipadamente o valor de R$-175,00 como valor de inscrição (prazo de inscrição até dia 09/07/2010)

OBS: INDEPENDENTE DA CONDIÇÃO DE PAGAMENTO PRECISAMOS DO VALOR DA ENTRADA DE R$-175,00 PARA GARANTIRMOS SUA VAGA.

As refeições e hospedagem serão por conta do aluno.

Relações de Hotéis

(18) 3822 2655 Hotel das Dracena (exc - centro)

(18) 3821 1070 Primum Hotel (bom - centro)

(18) 3822 7850 Fenix Hotel (bom - centro)

(18) 3822 1501 Hotel Dracena(bom - centro)

(18) 3822 2423 Via Park Hotel (bom e na entrada da cidade, 500 mts do local do curso).

O pagamento à vista ou a entrada poderá ser feito através de depósito no Banco Santander BANCO: 033 AGENCIA: 0077 CONTA: 13-002296-1 (favor passar comprovante por e-mail).

O curso está aberto a Militares das Forças Armadas, Policiais Federais, Policiais Civis, Policias Militares, Bombeiro Militar, Polícia Rodoviária Federal, Agente Penitenciário, Guardas Municipais e Agentes de Segurança Privada.

SOBRE O CURSO

É um treinamento objetivo e ofensivo, que está sendo considerado como uns dos melhores treinamentos policiais do mundo e é hoje a mais nova arma da SWAT. Desenvolvido e Patenteado pelo CATI, o curso visa o preparo de policiais para uma atuação mais eficiente em situações de risco como as de resgate de reféns, rebeliões, imobilizações de suspeitos sob efeito de entorpecentes, etc. É um curso inédito no mundo, que tem como objetivo primordial o de fornecer ao treinando uma capacitação para o uso das técnicas de imobilização tática e para lidar com situações onde não haverá possibilidade de utilização de arma de fogo.
As táticas ensinadas neste programa produzem os elementos surpresa e velocidade, requisitos essenciais para uma operação de sucesso. Colocamos o aluno em situações inesperadas que exigem raciocínio lógico, rápido e intuitivo. Enfim, é um novo e verdadeiro instrumento para o cotidiano do policial.

Cati Dracena Treinamentos Táticos.

www.cati.com.br

dracena@cati.com.br

18 3822 4766

terça-feira, 22 de junho de 2010

Vereador cobra do Governo do Estado informações sobre o pagamento do ALE

url da imagem:http://g1.globo.com/Noticias/SaoPaulo/foto/0,,17240690-EX,00.jpg

Requerimento nº161/2010

REQUEIRO, regimentalmente, ouvido o douto Plenário, seja encaminhado ofício ao Governador do Estado de São Paulo, Senhor Alberto Goldman, solicitando informações sobre o pagamento do Adicional de Local de Exercício – ALE, aos policiais civis e militares, aprovado através da Lei Complementar nº 1.114, de 26 de maio de 2010.

Plenário Vereador José Ikeda, em 21 de junho 2010.
Israel Pereira Coutinho
vereador